Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

D r e a m F a c t o r y

D r e a m F a c t o r y

Give Yourself a Chance...

Sentir que não estamos a cumprir o nosso padrão, que não estamos à altura, que não temos a imagem ideal, que nos faltam as palavras certas, que estamos abaixo das expectativas…as nossas e as dos outros.

Será que já tiveste um dia, ou dias assim? Dias de comparação com os outros? Dias em que que é difícil vestir a tua própria pele?

Sê o melhor que tu consegues e podes ser.

Acredita em ti, mima-te, procura e aceita o amor e o carinho em ti e nos outros. Deixa o mundo chegar até ti e agradece a coisas boas que existem na tua vida.

Sê tu a mudança que queres ver nos outros.

O que te faz feliz?

Que coisa pequenina, podes fazer por ti amanhã, que te vai fazer sentir melhor e mais perto da melhor versão de Ti?

Que o teu sorriso mostre o quanto gostas e confias em ti. Dá-te uma oportunidade!

510.jpg

Os Sapatos do Outro

Vivemos cheios de certezas.

Temos tudo programado, como vamos reagir, que frase vamos dizer a seguir…na maioria das vezes ouvimos apenas para responder.

Despir e deixar os nossos pré-conceitos, crenças, experiências à porta quando ouvimos ou quando conhecemos alguém pela primeira vez é um exercício poderoso, muitas vezes gratificante e carregado de surpresas deliciosas.

O nosso cérebro vai, se não lhe dermos novos programas, procurar situações, estímulos, respostas que já vivemos para poder dizer, “isto é, como aquilo”.

A dica de hoje é a paz de espírito que podemos acrescentar à nossa vida quando conseguimos alterar os nossos programas de uma forma consciente, aumentar a nossa tolerância e entender que regra geral, todos fazem aquilo que julgam ser o melhor possível, face às circunstâncias que enfrentam no momento.

Dê esta oportunidade a si e aos outros, veja aquele acontecimento com outras lentes ou calce os sapatos do outro de vez em quando.

 

barack19022017.jpg

 

Be your own MasterChef

Gosto de ver o MasterChef, a evolução dos concorrentes, a paixão, o stress, o dar a volta às dificuldades, o mentoring dos juízes, a dúvida, a contagem final…acho que papei as 8 temporadas da australiana (a minha preferida), algumas do brasil, and so on :)

No entanto aqui em casa, comemos sempre o mesmo, ou melhor, variamos pouco, pelo menos para a quantidade de programas que já vi…

Se a culinária não é uma paixão para todos, então porquê que o programa tem tantos seguidores?

Acredito que seja porque transforma pessoas normais em special ones, fazendo-nos acreditar que é possível.

Mostra que com garra, criatividade, paixão e muita resiliência pessoas comuns conseguem realizar os seus sonhos.

E que mesmo os que perdem, ganham sempre qualquer coisa, porque o ter coragem de viver aquela experiência dá acesso a todo um novo mundo.

Apesar de comermos muitas vezes massa com carne, gosto do MasterChef porque me faz acreditar que as sonhos podem mesmo tornar-se realidade ;)

Estás mesmo a esforçar-te e a cozinhar a TUA melhor receita?

MASTERCHEF.jpg

S.O.S.

Por vezes, tenho dificuldade em pedir ajuda. Será que sou caso único?

Respondo muitas vezes “tudo bem” quando a resposta verdadeira, aquela que seria como libertar um monstro, seria por vezes, “muito longe de bem”.

Sou daquelas pessoas que responde isto, na loucura, aos mais próximos, aqueles que acredita conseguem mesmo, carregar um pouco do seu fardo. Preciso que me perguntem mais duas ou três vezes, até começar a falar.

Acredito que isto se prende com as crenças que alguns de nós temos de que “cada um resolve os seus problemas” ou que “só os fracos pedem ajuda” ou outras parecidas.

O tempo, os livros e principalmente as pessoas com quem tenho tido a sorte e o privilégio de me cruzar têm desconstruído, mesmo sem saberem, estas crenças.

É um work in progress, mas prefiro acreditar que todos temos o direito e o dever de pedir, receber e oferecer ajuda.

Que aquelas coisas que aos nossos olhos parecem óbvias, aos olhos dos outros raramente o são.

Há que falar, gritar, estender a mão, dar um sinal. Pedir Ajuda...Oferecer Ajuda...

“nenhum homem é uma ilha, completa em si mesma; todo o Homem é um pedaço de um continente, uma parte do todo…”

05022017.jpg